Você é um guardador crônico?

Inúmeras pessoas têm sérias dificuldades para se desfazer de obje­tos, roupas, documentos e “coisinhas”. Que jogue a primeira pedra quem nunca olhou um casaco sem uso anos e se perguntou “Será que eu não vou usar mais MESMO?” Sim! O ato de guardar coisas é comum a todos os mortais. O que muda é o grau em que cada um de nós somos guardadores.

A pedido da repórter da Revista do Jornal da Tarde, Marcela Rodrigues, elaborei um teste para descobrirmos, então, em que grau somos guardadores.
Atreva-se a testar seu apego às coisas. Você pode se surpreender

TESTE: É HORA DE JOGAR FORA?
Pense em algo que você tenha guardado e responda SIM ou NÃO:

1. Você usou este objeto nos últimos 2 anos?
2. Ele ainda serve em você?
3. Você ainda gosta do objeto tanto quanto gostava quando comprou ou ganhou?
4. Você ainda aprecia o estilo ou design deste objeto, ou seja, ele tem a ver com sua personalidade e estilo atual?
5. Este objeto é uma recordação familiar, amorosa ou de viagens?
6. Você tem algum motivo legal, prático ou específico para guardá-lo?
7. Você imaginou a possibilidade de que jamais use novamente o objeto?
8. Você se sente confortável e seguro imaginando-se sem o objeto?
9. Você sente mais satisfação em permanecer com o objeto em desuso do que usar o espaço que ele ocupa para um objeto novo?
10. Você pensou que este objeto pode ser um achado incrível para outra pessoa?

Até 3 NÃO Pessoa padrão: normalmente descarta o que não usa mais, porém é ape­gado a alguns objetos.
De 4 a 6 NÃO Guardador: guarda inúmeros objetos mesmo sem ter certeza de que algum dia lhe serão úteis novamente.
De 7 a 10 NÃO Guardador crônico: não consegue se desfazer de quase nada e man­tém por anos a fio objetos sem utilidade.

Autora: Ingrid Lisboa


“Esta matéria pode ser publicada gratuitamente em seu site, jornal, revista ou newsletter, desde que citada a fonte: www.organizesuavida.com.br. Se desejar publicar artigos e informações exclusivas entre em contato.”

newsletter

Comentários
0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *